Gente da nossa comunidade: entrevista com o pesquisador Fernando Zawislak.


O professor Fernando Zawislak. Crédito: arquivo pessoal.

Fernando Claudio Zawislak nasceu em 1935 no município gaúcho de Santa Rosa, numa família de origem polonesa que morava no meio rural. Na década de 1940, os pais de Fernando o enviaram a Porto Alegre junto com um de seus irmãos para estudar como alunos internos. Em 1952, a família toda se mudou para a capital gaúcha, dando continuidade à decisão de priorizar a educação dos filhos.

Em 1958, Fernando Zawislak se formou em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). De 1960 a 1961 fez estágio no Laboratório Van de Graff da Universidade de São Paulo (USP) com os professores Oscar Sala e Ernst Hamburger. Ali teve os primeiros contatos com a pesquisa. Em seguida, retornou ao Instituto de Física da UFRGS e iniciou e coordenou um grupo de pesquisa experimental na área de Física Nuclear. Nesse campo, orientado pelo professor John D. Rogers, obteve o título de doutor, aprovado “com louvor” em 1967, transformando-se no primeiro doutor em Física formado pela UFRGS. De 1968 a 1970, fez pós-doutorado no California Institute of Technology (Caltech), nos Estados Unidos.

Em 1979 passou a trabalhar no campo da implantação iônica e uso de técnicas de feixes de íons para modificação e análise de materiais. Com este objetivo foi pesquisador visitante por um ano no Laboratório de Implantação Iônica de Orsay, da Universidade de Paris (França). Em 1981, fundou o Laboratório de Implantação Iônica na UFRGS mediante a aquisição de um acelerador de 400 kV. Em 1996 realizou a compra de um acelerador de 3 MV, o qual permitiu ampliar as atividades do laboratório para novos campos, como semicondutores, polímeros, metais e ligas metálicas, entre outros. Coordenou o Laboratório de Implantação Iônica desde a sua fundação até 2009. Hoje, o laboratório é o maior de seu tipo na América Latina, conta entre seus resultados com mais de 60 doutores formados e cerca de 1.000 artigos científicos publicados, além de trabalhos desenvolvidos em colaboração com grupos do Brasil, Alemanha, Argentina, Austrália, Coreia do Sul, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França e Nova Zelândia. Durante a década de 1990, Zawislak participou no planejamento e na obtenção de recursos do Centro de Microscopia Eletrônica da UFRGS e da criação do  de Programa de pós-graduação em Ciência dos Materiais (PGCIMAT) da UFRGS.

Aposentou-se da UFRGS em 2005. É Professor Emérito da federal gaúcha, pesquisador nível 1 A do CNPq, membro titular da Academia Brasileira de Ciências e Comendador e Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico. Durante sua carreira formou 14 doutores e 16 mestres, publicou mais de 160 artigos científicos em revistas internacionais indexadas e foi chairman de, entre outras, duas das mais importantes conferências internacionais da área de implantação iônica, a Ion Beam Modification of Materials (Canela, RS, 2000) e a Radiation Effects in Insulators (Gramado, RS, 2003), ambas realizadas pela primeira vez em país latino-americano.

Segue uma breve entrevista com o pesquisador.

Boletim da SBPMat: – Quais são, na sua própria avaliação, as suas principais contribuições à Ciência e Engenharia de Materiais? Conte-nos também o que o levou a realizá-las.

Fernando Zawislak: – Eu iniciei minha carreira científica trabalhando na área de Física Nuclear Experimental. Inclusive, fiz doutorado nessa área. Em 1968 fui para Califórnia para fazer o pós-doutorado no California Institute of Technology. Lá, nesse instituto, estava se iniciando a área de Ciência de Materiais, e, mais precisamente, a área de implantação iônica e análise por feixe de íons. Os Estados Unidos tinham decidido investir fortemente na área de interdisciplinaridade, especialmente em Ciência dos Materiais. Lá no Caltech eu não trabalhei em Materiais, mas acompanhei os trabalhos. E eu disse: “Se eu tiver oportunidade, vou iniciar no Brasil essa área de implantação iônica e estudos de materiais por feixes de íons”.

A Califórnia era um dos três ou quatro lugares do mundo onde estava iniciando a área de implantação iônica e análise de materiais. E eu ia nos seminários, apesar de estar trabalhando em outra área. Então voltei ao Brasil em 1970, mas foi só em 1982 que consegui instalar o Laboratório de Implantação Iônica. Foi uma mudança radical na minha vida, mas acho que isto é importante: todo pesquisador deveria, se possível, mudar uma ou duas vezes de área durante sua carreira para ir sempre para uma área mais moderna. Eu estava trabalhando numa área mais antiga, onde estava difícil publicar, e a implantação iônica estava começando, e até agora é muito importante.

Nessa área de Ciência de Materiais, que iniciei em 1982 quando mudei de área, adquiri o primeiro implantador, e formei, nesses vinte e poucos anos, até a minha aposentadoria, muitos doutores e mestres, publiquei mais de cem trabalhos e desenvolvi estudos, basicamente na área de nanoestruturas de materiais e modificação de materiais por feixes de íons.

Na verdade, eu estava interessado na interdisciplinaridade, e a área de Ciência de Materiais é evidentemente interdisciplinar. Essa interdisciplinaridade é absolutamente necessária, como os Estados Unidos descobriram, fundando nessa época vinte centros interdisciplinares. Assim, no Brasil, quando eu voltei, comecei a lutar por essa interdisciplinaridade. Na verdade todo mundo era a favor, mas nem a universidade nem as agências de fomento apoiavam as áreas interdisciplinares. Existia um domínio das disciplinas clássicas. Cada departamento focava na sua área e, com o surgimento de novas áreas, as pessoas não queriam compartilhar, não queriam perder alunos, bolsas… Bom, mas lutamos bastante, e eu fui um dos que lutaram pela criação da pós-graduação em Ciência dos Materiais na UFRGS, junto com colegas da Física, da Química, da Engenharia. E conseguimos realizar.

Então, os frutos da minha atividade em Materiais foram, de um lado, o Laboratório de Implantação Iônica e, por outro lado, a criação da pós-graduação em Ciência dos Materiais. Também tive uma ação muito intensa tentando convencer nas reuniões científicas de que era absolutamente essencial entrar na área interdisciplinar porque todos os grandes avanços da pesquisa e da inovação são interdisciplinares.

Até hoje, o Laboratório de Implantação Iônica é o maior da América Latina e é similar em eficiência e equipamentos a muitos dos bons laboratórios do mundo todo. O laboratório tem 25 doutores, sendo que sempre tem 21 ou 22 permanentes e 3 ou 4 pós-doutores. Tem 30 alunos de pós-graduação, uma meia dúzia de técnicos, mais os alunos de iniciação científica… Temos um total de mais de 50 pessoas no laboratório. Eu dirigi o laboratório até 2010, quando fui substituído por um colega, um jovem, que é o Pedro Grande.

O curso de Pós-Graduação em Ciência dos Materiais, eu acho que também está indo muito bem, mas ainda tem dificuldades. Eu cheguei a formar alunos do curso, mas agora estou aposentado.

Boletim da SBPMat: – Quais são, na sua opinião, os principais desafios atuais da área de implantação iônica com relação à Ciência e Engenharia de Materiais?

Fernando Zawislak: – Eu acho que o importante da implantação iônica é que ela engloba várias áreas de pesquisa, começando pela Física, Química, várias Engenharias, Biologia, Genética, Geologia, todos são campos onde a implantação iônica e, principalmente, a análise de materiais no acelerador, são importantes. Nós conseguimos medir quantidades muito pequenas de impurezas, por exemplo. De uns cinco anos para cá nós introduzimos microfeixes, que são feixes focalizados para o tamanho de um mícron. Esse feixe tem condições de analisar microestruturas, incrustações da Geologia ou da Microeletrônica. Agora nós temos dois aceleradores no laboratório, um menor, que é o primeiro, e outro de 3 MV que foi adquirido no final de década de 1990. As técnicas, como RBS, MEIS etc. medem, inclusive, as formas e tamanhos das nanopartículas. A gente, por um lado, implanta uma impureza numa matriz e, de acordo com a energia da implantação e a temperatura, você faz nanopartículas desde 2 ou 3 nm até 100 nm. Então eu acho que o futuro e os desafios são muito grandes, e a técnica tem muita potencialidade em muitas áreas. Por exemplo, nós estamos analisando o vinho do Rio Grande do Sul. Eu acho que o laboratório está indo muito bem. Eu me aposentei, mas, graças a Deus, fui bem substituído. O laboratório está indo até melhor do que quando eu era coordenador…

Boletim da SBPMat: – Conte-nos quais são suas principais ocupações atuais e seus projetos para o futuro.

Fernando Zawislak: – Bom, no futuro eu não estou pensando muito. Eu estou aposentado faz dez anos, sou Professor Emérito. Ainda tenho bolsa do CNPq, pois continuo publicando, mas agora a minha produtividade propriamente de pesquisa está diminuindo. Eu estou usando o meu tempo para ajudar os colegas mais jovens, participando de algumas sociedades, de alguns conselhos… Em fim, atividades para uma pessoa que já está na aposentadoria. Meu último aluno se formou no ano passado, doutor, e já não estou aceitando mais alunos, mas continuo ajudando se me pedem alguma coisa.

Boletim da SBPMat: – Gostaria de deixar uma mensagem para nossos leitores que estão iniciando suas carreiras de cientistas?

Eu acho que o importante para o pesquisador é escolher a carreira numa área que ele goste. Como professor, muitos colegas me perguntam: “Que carreira deve meu filho seguir?”. Eu costumo responder: “Qualquer uma, desde que ele goste. Todas são boas”.

Eu também acho que os jovens agora não devem fazer um curso de graduação muito afunilado numa área só. Acho que devem ficar com a mente aberta para a interdisciplinaridade, colaborar com outros colegas, eventualmente cursar disciplinas em outras áreas. Para mim, isso é muito importante, porque ficar muito focalizado numa área tem um espectro muito restrito: vai acabar sendo professor na universidade. E acho que a expectativa do Brasil é que os jovens saiam da universidade e criem indústrias, inovação etc.

Penúltimo conselho: escolha um orientador atualizado em campo moderno de trabalho.

E o último é: tem que ser empreendedor. Isso é o que falta. No Brasil discute-se muito essa questão da interação da indústria com a universidade, mas não adianta, não se pode transformar um industrial “velho” que ficou rico fazendo parafusos, e convencê-lo de que tem que contratar doutores e fazer um laboratório de pesquisa. São os jovens os que têm que iniciar isso. Nos resultados das nossas universidades, alguns sucessos de inovação tecnológica foram feitos por alunos que saem do doutorado e até da graduação. Então, como se faz um jovem empreendedor? Tem que procurar fazer estágios, na indústria, se possível, e, eventualmente, ir para um país onde exista essa cultura do empreendedor, como, por exemplo, os Estados Unidos, a Alemanha, a Coreia, o Japão. Aqui no Brasil, os químicos são mais empreendedores do que os físicos, algumas áreas da Engenharia também, mas ainda falta, e isso é extremamente importante. Seria importante conscientizar o jovem de que ele pode sair da universidade e ir para um novo campo para inovar tecnologicamente.

Interviews with plenary lecturers of the XII SBPMat Meeting: Anke Kaysser-Pyzalla (Helmholtz-Zentrum Berlin für Materialien und Energie).


In Berlin (Germany), a research center for materials and energy attracts around 2.500 scientists from the world each year with its two main large scale facilities for investigating the structure and function of matter: the neutron source BER II and the synchrotron source BESSY II. Professor Anke Kaysser-Pyzalla, the scientific director of that research center (the Helmholtz-Zentrum Berlin für Materialien und Energie – HZB), is one of the plenary speakers of the XII SBPMat meeting. In her talk, Kaysser-Pyzalla will address the capabilities for research on solar energy materials of the center, focusing on thin film photovoltaics and solar fuels.

Anke obtained her PhD degree with a thesis in Materials Science from the Ruhr University Bochum (Germany), where she is a full university professor since 2011. Priorly, she was a member of the scientifc staff of the Hahn-Meitner-Institute (Berlin), of the Institute of Materials Science and Technologies from Technische Universität Berlin and at the Max-Planck-Institut für Eisenforschung (Düsseldorf), where she also was director and chief executive. She is the editor of the “Journal of Applied Crystallography”.

See below our interview with the lecturer.

SBPMat: – Could you briefly describe the potential of BER II and BESSY II facilities for research in the field of solar energy?

Anke Kaysser-Pyzalla (A.K.P): – Thin film materials used for solar cells are predestined for studying at a synchrotron facility. Especially at the interfaces of the different layers there are effects causing current loss in the solar cell. These processes we wish to understand in order to develop better solar materials. At BESSY II many such studies are carried out. The demand is strong. Therefore, we are building a new lab for preparation and analysis of samples for solar energy and catalysis research called EMIL (Energy Materials In Situ Laboratory Berlin). This lab will open in 2015 and it will have direct access to BESSY II beamlines. The deposition of the layers can then be studied in situ at the synchrotron, without having to break the vacuum. This is unique in the world. BER II also offers opportunities for research on solar materials. Neutrons are particularly well suited to distinguish the electronically similar elements copper and zinc in a crystal structure. At HZB we use it for studying chalcopyrite and kesterite materials at BER II.

SBPMat: – In Brazil, in Campinas city, there is a Synchrotron national facility. Which are the differences between Campinas and HZB´s facilities?

A.K.P.: – LNLS in Campinas is a second generation synchrotron source, whereas the HZB’s photon source BESSY II is of third generation. Third generation sources enable full polarization control and higher brilliance by the use of undulator devices. With the opening of Sirius the near future will bring the newest generation of synchrotron sources to Brazil. This will give access to research with photons for a broad scientific community in the Americas.

SBPMat: – Can you give some examples of highlighted results obtained at HZB on the area of solar energy materials?

Synchrotron BESSY II.

A.K.P.: – Just recently a group of HZB published groundbreaking results in collaboration with the University of Delft (Netherlands) in the field of solar fuels. HZB considers solar fuels as one of the next big topics in solar energy research, promising to offer solutions for the storage and transport of solar power-generated energy. The group realized a water splitting device by combining a common solar cell with a photo anode made of metal oxides. The oxide system allows for relatively cheap and stable devices in comparison to other cells based on expensive III-V semiconductors.
Beyond materials research, HZB is actively developing processes of thin film growth. A group of scientists obtained the High Tech Champion Award in 2011 for the establishment of a chemical layer deposition process called ILGAR. The process is based on spray-pyrolysis for metal oxide and absorber layers in compound semiconductor solar cells. The processing is cheap and fast, hence, a highlight of technology transfers.

SBPMat: – Feel free to leave any other comments about your plenary lecture for our readers.

A.K.P.: – One of the grand challenges of this century is the question of clean energy and the sustainable use of natural resources. We need more efficient solar cells, solutions for energy storage and smart catalysts, which are not based on extremely rare elements, but on abundant materials – non-toxic, cheap and possibly recyclable. And we will need new materials for the information technologies of the next generation, which allow more operations while consuming much less energy, for example quantum materials like topological insulators or spintronic materials.
Therefore, we consider energy research and materials research as two sides of the same coin. In order to understand how microscopic structure is linked with macroscopic properties, we need deeper insights into the processes on an atomic and molecular scale. The processes of interest occur in the bulk of materials, at interfaces and surfaces. Our two large scale facilities BESSY II and BER II are excellent tools to investigate these hidden processes in complex materials. The goal of our research is to contribute ideas and solutions for a sustainable and clever use of our finite resources.

Minientrevistas com palestrantes do XII Encontro da SBPMat: Elson Longo da Silva (Unesp).


O professor Elson Longo. Crédito: divulgação.

Elson Longo é professor da pós-graduação na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) e Professor Emérito da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Coordena o Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC) e o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN).

Químico formado pela Unesp em 1969, com mestrado e doutorado em Físico-Química pela Universidade de São Paulo (USP), Longo conta com mais de 780 artigos publicados em revistas internacionais, que totalizam mais de 11.180 citações. O professor já foi orientador de mais de 50 mestres e mais de 60 doutores enquanto professor da UFSCar (1989-2005) e da Unesp (a partir de 2005).

Da sua carreira como pesquisador da área de Materiais, Longo destaca uma série de contribuições realizadas nos últimos vinte anos: varistores a base de óxido de zinco, óxido de estanho e titanato de cálcio e cobre; sensores; materiais fotoluminescentes a base de titanatos e tungstato; filmes finos ferroelétricos para utilização em memórias, e materiais fotodegradadores (materiais semicondutores). Também na área de Materiais, Longo participou, junto a empresas da indústria de refratários e siderúrgica, do desenvolvimento de novos tipos de refratários, pisos e azulejos e de cerâmica artística.

É membro titular da Academia Brasileira de Ciências, empossado neste ano, membro da Academia de Ciências do Estado de São Paulo e membro da Academia Internacional de Cerâmica (World Academy of Ceramics).

Atualmente é membro do Conselho da SBPMat. Foi presidente da sociedade de 2004 a 2005.

No XII Encontro da SBPMat, Longo será honrado com a Palestra Memorial “Joaquim Costa Ribeiro”, na qual falará sobre a evolução da pesquisa em Materiais no Brasil.

Segue uma breve entrevista com o palestrante.

Boletim da SBPMat (B.SBPMat): – O senhor tem vasta experiência em projetos realizados junto a empresas. O que teria a comentar sobre a relação da área de Materiais e a indústria no Brasil nesses 40 anos de Engenharia de Materiais? A inserção de engenheiros de Materiais na indústria tem ajudado a melhorar a qualidade, variedade e valor agregado dos produtos brasileiros?

Elson Longo(E.L.): – A área de Materiais evoluiu sobremaneira após a fundação e consolidação da primeira turma de Engenharia de Materiais da UFSCar. Este curso criou no país novas perspectivas para a indústria de um modo geral, pois contemplava três áreas extremamente carentes de especialistas: cerâmica, polímeros e compósitos. Na área de metais já existiam os engenheiros especializados formados em diferentes universidades do país. Vamos tomar somente dois exemplos: a indústria de refratários prosperou e tornou-se competitiva internacionalmente, o mesmo ocorrendo para a indústria de polímeros. Os produtos brasileiros são competitivos no mercado nacional e internacional em função do trabalho dos engenheiros de Materiais e demais categorias de engenharia que trabalham em consonância.

B.SBPMat: – Na sua visão, quais os principais resultados da evolução da formação de recursos humanos na área de Materiais nesses 40 anos no Brasil?

E.L.: – Mais importante que a formação de recursos humanos foi a estruturação de cursos de Engenharia de Materiais em nível de graduação e pós-graduação. Estes cursos hoje estão homogeneamente distribuídos pelo país beneficiando sobremaneira a nossa indústria.

B.SBPMat: – Como você consegue manter uma produtividade científica tão alta e com tantas citações?

E.L.: – A nossa produtividade é fruto de um trabalho em equipe que envolve pesquisadores de São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Brasília, Sergipe, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Maranhão e Pará. Devo destacar também as interações internacionais que proporcionam grandes oportunidades ao grupo de mostrar o nosso trabalho para a comunidade internacional.

B.SBPMat: – Enquanto participante ativo da história da SBPMat, o que você destacaria dos onze anos de existência da sociedade?

E.L.: – O principal ponto da SBPMat é a harmonia que existe entre os pesquisadores de todos os níveis e a saudável troca de informação entre os mesmos. Por outro lado, a SBPMat desde sua origem tem uma forte participação dos pesquisadores do exterior, o que a coloca na vanguarda do conhecimento.

Informações sobre a palestra de Elson Longo no XII Encontro da SBPMat
Título: “Evolução da pesquisa em Materiais no Brasil”
Resumo: Desde a fundação do curso de Ciência dos Materiais na UFSCar, São Carlos (SP), o país vem evoluindo de modo constante nesta área de conhecimento. É importante ressaltar que esse curso catalisou pesquisadores de Engenharia, Química e Física para o desenvolvimento de materiais cerâmicos, poliméricos e compósitos. Por outro lado, houve também uma ampliação dos cursos de Materiais a nível de graduação e pós graduação, o que contribuiu enormemente para o desenvolvimento da área. Com essa nova estrutura, houve a necessidade da criação da Sociedade Brasileira de Materiais, que vem evoluindo de modo positivo ao longo dos últimos 10 anos.
Quando: 29 de setembro (domingo) das 20h00 às 21h00, após a abertura do evento e antes do coquetel.

Entrevista com o pesquisador da área de Materiais Edgar Dutra Zanotto, vencedor do Prêmio Almirante Álvaro Alberto para Ciência e Tecnologia.


Neste mês de abril foi anunciado o vencedor da edição 2012 do Prêmio Almirante Álvaro Alberto para Ciência e Tecnologia, honraria concedida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em parceria com a Fundação Conrado Wessel (FCW) e a Marinha do Brasil, para pesquisadores que tenham se destacado pela realização de obra científica e tecnológica de reconhecido valor para o progresso de sua área.

O professor Edgar Dutra Zanotto. Crédito: Enzo Kuratomi/ UFSCar.

O laureado nesta oportunidade é o professor Edgar Dutra Zanotto, um dos fundadores da nossa SBPMat.

Há 36 anos, Zanotto vem desenvolvendo pesquisas na área de Materiais, mais precisamente em temas relacionados a vidros e vitrocerâmicas. As vitrocerâmicas são materiais policristalinos produzidos pela cristalização interna catalisada de certos vidros, cujas propriedades físico-químicas podem ser concebidas pelo controle da composição química do vidro progenitor, do tipo e quantidade de agentes de nucleação e por tratamentos térmicos adequados, que conduzem a nano e microestruturas projetadas. Elas têm múltiplos usos; podem substituir pedras caras e escassas, como mármore e granito, ser usadas em armaduras balísticas e, até mesmo, como dentes e ossos artificiais.

O cientista premiado é autor de 160 artigos publicados em periódicos internacionais indexados, os quais contam com mais de 2.500 citações. Orientou quarenta mestres e doutores e mais de vinte projetos de pós-doutorado. Realizou projetos em parceria com 22 empresas e tem 12 patentes depositadas no Brasil e no exterior.

Zanotto graduou-se em Engenharia de Materiais pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) em 1976. É mestre em Física pela Universidade de São Paulo (USP) e doutor em Tecnologia de Vidros pela Universidade de Sheffield (Reino Unido). Atualmente é professor titular da Universidade Federal de São Carlos, onde coordena o Laboratório de Materiais Vítreos (LaMaV), criado por ele em 1977. É membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC) desde 1998 e Comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico desde 2006. O prêmio Almirante Álvaro Alberto é o mais recente dentre os 25 prêmios que recebeu ao longo de sua carreira.

Segue uma entrevista com o laureado.

Boletim da SBPMat (B. SBPMat): – Conte-nos um pouco sobre sua história: o que o levou a se tornar um pesquisador da área de Materiais?

Edgar Dutra Zanotto (E.D.Z.): – Desde criança sonhava em me tornar um “inventor”. Ingressei por acaso no curso de Engenharia de Materiais na UFSCar em 1972. Em 1976, já no quinto ano do curso, após realizar um estágio de seis meses numa empresa ceramista, decidi seguir a carreira acadêmica e já procurei uma bolsa de iniciação científica.
Minha carreira foi nucleada logo na graduação. Um ponto determinante foi o ingresso na UFSCar, na terceira turma do curso de Engenharia de Materiais, o primeiro na América do Sul. As condições não eram as melhores naquela época e nós tivemos que participar da construção do curso. Mas isso foi muito bom porque nos envolvemos bastante na elaboração e aprimoramento da grade curricular, com inúmeras discussões e críticas construtivas; a situação cobrou uma atitude pró-ativa dos estudantes.
O Laboratório de Materiais Vítreos (LaMaV) da UFSCar começou com a aprovação pelo chefe do Departamento de Engenharia de Materiais (DEMa), Dionísio Pinatti, para que eu iniciasse estudos com materiais vítreos. Cursei o mestrado no Instituto de Física e Química da USP em São Carlos (IFQSC-USP), já pensando no doutorado no exterior. Fui aceito pela Universidade de Sheffield na Inglaterra e procurei aproveitar o doutorado ao máximo, pois já tinha a ideia de montar um grupo de pesquisas na UFSCar. Tudo foi se desenvolvendo aos poucos, com muito esforço.
Atualmente os cursos de graduação e pós-graduação do DEMa são reconhecidos por sua qualidade, tanto no Brasil quanto no exterior. A reputação do LaMaV do DEMa e seus pesquisadores é fruto de trabalho contínuo e muita dedicação. Atualmente, o LaMaV também conta com a ativa participação dos professores Ana Cândida Martins Rodrigues e Oscar Peitl, e do visitante russo Vladimir Fokin. Obrigado colegas!

B.SBPMat: – Na sua própria avaliação, quais são as suas principais contribuições à Ciência e Engenharia de Materiais?

E.D.Z.: – Com o inestimável auxílio de dezenas de coautores, nossa pesquisa tem-se concentrado no estudo e entendimento da cinética de cristalização e propriedades de vidros e vitrocerâmicas.
Os trabalhos de pesquisa fundamental incluem: os efeitos da separação de fases líquidas na nucleação de cristais; testes e desenvolvimento de modelos de nucleação de cristais, crescimento e cristalização; formação de fases metaestáveis; cristalização em superfícies; estabilidade frente à devitrificação espontânea; capacidade de vitrificação de líquidos; correlações entre a estrutura molecular e o mecanismo de nucleação; sinterização com cristalização simultânea, e processos de difusão que controlam a cristalização. Estes foram revistos recentemente na parte I de uma edição especial do International Journal of Applied Glass Science [1]. Alguns desses trabalhos levaram a avanços significativos no desvendamento dos mecanismos de cristalização de vidros óxidos.
Especial impacto na mídia nacional e internacional tiveram dois artigos publicados no American Journal of Physics, no período 1998-1999 [2-3]. Esses artigos desmascararam a lenda urbana de que as vidraças de antigas catedrais são mais espessas no fundo porque o vidro fluiu lentamente ao longo de séculos!
Nossos estudos de natureza tecnológica sobre o desenvolvimento e caracterização de vitrocerâmicas são revistos na parte II da edição especial do International Journal of Applied Glass Science [4].
Nesses artigos, concluímos que, apesar do significativo avanço no conhecimento sobre vários aspectos de transformações de fases – que resultaram de nossas próprias pesquisas e de outros grupos – a cristalização de vidros continua a ser um campo riquíssimo, aberto para ser explorado.

Referências
[1] ZANOTTO, E.D. “ Glass Crystallization Research – A 36-Year Retrospective. Part I, Fundamental Studies”. International Journal of Applied Glass Science – Part I, 2013, in press.
[2] ZANOTTO, E.D. “Do Cathedral Glasses Flow?“. Am. J. Physics 66 (5), 1998, pp. 392-95.
[3] ZANOTTO, E. D. and GUPTA, P. K. “Do Cathedral Glasses Flow? Additional Remarks“. Am. J. Physics 67 (3), 1999, pp. 260-262.
[4] ZANOTTO, E.D. “Glass Crystallization Research – A 36-Year Retrospective. Part II, Glass-ceramics”.  International Journal of Applied Glass Science – Part II, 2013, in press.

 B.SBPMat: – Quais foram os principais fatores que o ajudaram a construir sua trajetória como pesquisador, agora destacada com o Prêmio Álvaro Alberto?

E.D.Z.: – Estenderei aqui o que já relatei em recente entrevista ao CNPq. Após retornar de um estágio industrial, já no último ano do curso de Engenharia de Materiais, fui agraciado com uma bolsa de iniciação científica (IC) sob a tutela do experiente professor visitante Osgood J. Wittemore, da Universidade de Washington. Esse outro ensaio foi fundamental para a minha contratação como professor auxiliar de ensino pela UFSCar, no próprio curso de Engenharia de Materiais, em dezembro de 1976. Naquela época eu era recém-formado, mas devido à carência de pessoal qualificado em Ciência e Engenharia de Materiais, fui contratado.
Então percebi que, para ter êxito na carreira acadêmica, era absolutamente necessário aprofundar-me em ciência, sem, entretanto, mudar-me de São Carlos (meu contrato com a UFSCar obrigava-me a ministrar aulas). Resolvi essa equação matriculando-me no curso de mestrado do então IFQSC, na USP de São Carlos, sob a orientação do competente professor Aldo Craievich. Concomitantemente com minhas atividades docentes na UFSCar, com muito esforço concluí e defendi a dissertação de mestrado no IFQSC-USP em um ano e meio. Por indicação de Aldo, fui aceito em 1979 por meu orientador de doutorado na Universidade de Sheffield, no Reino Unido, o famoso professor Peter James. Defendi a tese em 1982. Muito obrigado pela confiança, Aldo e Peter!
Nas duas décadas seguintes, com o auxílio de alguns colegas, continuamos a construção e o aparelhamento do LaMaV e do próprio DEMa-UFSCar com recursos da Fapesp, CNPq, Pronex, Capes e empresas. Foi também extrema sorte ter realizado educativos estágios sabáticos na Universidade do Arizona em 1987, na Universidade de Ferrara (Itália) em 1992, e na Universidade da Flórida Central em 2005, sob o competente comando de Michael Weinberg, Annamaria Celli e Leonid Glebov, respectivamente, com os quais mantive profícua colaboração durante vários anos. Os lugares não foram tão importantes; as pessoas, sim. Grazie mille, Anna. Thanks a lot, guys!
Nesse período realizamos vários projetos de pesquisa básica e tecnológica com auxílio de agências públicas e empresas.
Riquíssima e inesquecível foi a experiência de participar ativamente da Diretoria Científica da Fundação de Amparo e Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) durante a criativa e eficiente gestão do comendador José Fernando Perez, entre 1995 e 2005. Nesse período concebemos, implantamos e administramos, com sucesso, novos e paradigmáticos programas de fomento à pesquisa, que mudaram radicalmente o vigor e a visibilidade da ciência e tecnologia. Por exemplo, os programas Genoma, PIPE, Consitec, Nuplitec, CEPID, Scielo, a revista Pesquisa Fapesp e outros. Nessa educativa década tive a sorte de reunir-me semanalmente com o próprio Perez, e os competentes e espirituosos Coordenadores Adjuntos da Diretoria Científica: Antonio C. Paiva, Luiz Nunes de Oliveira, Francisco Coutinho, Rogério Meneghini, Walter Colli, Luis Eugenio Mello, Luiz Henrique Lopes dos Santos e Paula Montero (grupo carinhosamente batizado por Perez como a “Incrível Armada”!). Sou imensamente grato a vocês, meus caros, pela agradável convivência e os valiosos ensinamentos!
Finalmente, devo enfatizar que tive a ventura de selecionar e conviver com excelentes alunos e colaboradores do Brasil e do exterior, ao longo destes 36 anos. E sempre fico extremamente satisfeito quando encontro um aluno talentoso ou motivado, elemento fundamental para a evolução do sistema!
Portanto, minha carreira resultou da soma de todas essas atividades.

B.SBPMat: – Você coordena há mais de três décadas o Laboratório de Materiais Vítreos, que atrai cientistas do mundo todo. Comente como consegue manter um padrão internacional de excelência em seu grupo.

E.D.Z.: – A receita é simples, sua implementação nem tanto. Segue parte da estratégia que temos utilizado no LaMaV:
– Escolha um ou dois assuntos relevantes e desafiadores e aprofunde-se; permaneça um bom tempo com ele(s), não mude de tema frequentemente à busca de modismos;
– Ao pesquisador experimental (maioria): para otimizar o caro e trabalhoso processo de experimentação, estude a literatura, planeje, calcule ou simule antes de imergir no laboratório;
– Cerque-se de alunos e colaboradores competentes e motivados e, preferivelmente, bem-humorados!;
– Cuide e dê atenção aos seus alunos, pós-docs e colaboradores. A pesquisa experimental é quase sempre realizada por equipes;
– Participe dos melhores congressos internacionais sobre o seu tema favorito;
– Realize estágios periódicos em outros grupos/instituições comandados por pesquisadores experientes;
– Convide ao seu laboratório e conviva com colaboradores estrangeiros, eles trazem culturas distintas e quase sempre relevantes;
– Procure sempre uma retaguarda teórica, uma explicação para os seus resultados experimentais;
– Tenha muito cuidado com a redação de seus artigos científicos. Estude a literatura, escreva, reflita, releia e peça a opinião crítica de colegas competentes antes de publicá-los;
– Privilegie a qualidade (não a quantidade)!
Ah, também recomendo comemorar as bolsas e prêmios recebidos, defesas de tese, aniversários, e realizar um happy hour nas sextas-feiras…

B.SBPMat: – Gostaria de deixar alguma mensagem para nossos leitores que estão construindo suas carreiras de pesquisadores em Materiais, seja na academia ou na indústria?

E.D.Z.: – Se vocês não gostarem muito de pesquisa e ensino, e não estiverem dispostos a dedicar longas jornadas ao trabalho, recomendo procurar outra atividade!
Sejam fluentes em português e inglês, estudem e atualizem-se em Matemática, Física e Química. Sejam objetivos e econômicos. Cuidem desde cedo da saúde física e mental e, finalmente, sigam os conselhos do item anterior!
E basta, senão estes conselhos poderão causar um contraefeito…