Entrevista com Frédéric Guittard (professor da Universidade de Nice Sophia Antipolis, França).


guittardAlém de repelirem a água, materiais superhidrofóbicos podem ser úteis em uma miríade de aplicações. Apenas alguns exemplos: sistemas antigelo, anticorrosão e antibactéria; de separação de óleo e água; de purificação e dessalinização de água; de entrega de fármacos. No XVI Encontro da SBPMat, esse amplo leque de possibilidades será apresentado em palestra plenária pelo professor Frédéric Guittard.

Junto a seu grupo de pesquisa da Université Nice Sophia Antipolis (França), Guittard inspira-se na natureza para criar superfícies hidrofóbicas e oleofóbicas a partir de polímeros condutores e outros materiais. Nesses assuntos, o grupo conta com dezenas de patentes e artigos (7 deles, destacados em capas de periódicos de Química, Polímeros e Materiais desde 2014), e figura entre os grupos mais citados do mundo.

Fréderic Guittard obteve seu diploma de doutorado em Química Orgânica em 1994 pela Universidade de Nice Sophia Antipolis, e permaneceu na instituição como pós-doc por cerca de um ano. Entre 1995 e 1996, realizou estágios de pós-doutorado em instituições das cidades de Padova (Itália), Preston (Reino Unido) e Praga (República Tcheca). De 1996 a 1997 atuou na indústria farmacêutica no Principado de Mônaco. Em 1997, voltou à Universidade de Nice como professor associado, tornando-se professor titular em 2002. De 2004 a 2010, foi diretor do Departamento de Química da universidade. Guittard também foi criador de um programa de mestrados profissionais voltados à capacitação nas áreas de Materiais e Gestão. Coordenou o Laboratório de Química dos Materiais Orgânicos e Metálicos e, a partir deste ano, lidera um novo laboratório, o N.I.C.E. ®, assim chamado não apenas por se localizar na cidade homônima, mas também pelo acrônimo de “Nature Inspires Creativity Engineers”.

Em 2012, 2014 e 2016, Guittard foi coordenador das primeiras edições da conferência internacional sobre materiais inspirados na natureza, também identificada com a marca N.I.C.E.

Atualmente é professor visitante da University California Riverside (EUA).

Sua produção científica, que conta com mais de 5.200 citações, inclui mais de 230 artigos e 35 patentes.

Segue uma breve entrevista com o cientista.

Boletim da SBPMat: – Sua pesquisa tem uma abordagem biomimética. Em quais elementos da natureza você se inspira para desenvolver seus materiais hidro e oleofóbicos?

Frédéric Guittard: – Em uma alcachofra. Meus filhos queriam que eu cultivasse uma alcachofra: quando eu estava regando-a, surpreendentemente redescobri o efeito Lotus. Os próximos passos foram adaptar, adotar e integrar esse segredo da natureza em tecnologias ou biotecnologias.

Boletim da SBPMat: – Na sua opinião, quais são suas principais contribuições científicas ou tecnológicas ao campo dos materiais hidrofóbicos e oleofóbicos? Por favor descreva-os brevemente, e compartilhe referência de artigos, se possível.

Frédéric Guittard: – Existem algumas aplicações interessantes para materiais superhidrófobicos ou superoleofóbicos. As principais aplicações dizem respeito à antiadesão (como antigrafite, antigelo, anti-impressões digitais …) ou antibioadesão (como anti-incrustação ou, por exemplo, para remover bactérias de superfícies em hospitais). As seguintes publicações darão mais detalhes:
– Bioinspired Superhydrophobic Surfaces: Advances and Applications with Metallic and Inorganic Materials, CRC Press, Francis & Taylor Group, 300 pages, 2017 (F. Guittard, T. Darmanin)
– Superhydrophobic and Superoleophobic Properties in Nature, Materials Today, 2015, 18, 273-285 (T. Darmanin, F. Guittard)
– Recent advances in the potential applications of bioinspired superhydrophobic materials, Journal of Materials Chemistry A, 2014, 2, 16319-16359 (T. Darmanin, F. Guittard)

Boletim da SBPMat: – O seu laboratório possui uma extensa lista de parceiros industriais. A transferência de conhecimento para a indústria é comum em seu laboratório? Em caso afirmativo, de que forma acontece? Através do licenciamento de patentes, spin-offs, projetos conjuntos?

Frédéric Guittard: – O primeiro ponto é entender que a indústria e a universidade não são concorrentes e podem formar uma cadeia de valor. Desta forma, as indústrias têm de inovar para melhorar ou criar o serviço. As universidades podem ajudar as indústrias a mostrar soluções incríveis com uma prova de conceito. Mesmo que o custo seja importante para levar em conta, o ponto chave em 80% para o sucesso é o bom relacionamento humano. Mais frequentemente, a solução está perto de nós e o esforço é pouco! Temos que observar para encontrar o parâmetro-chave e fazer a pergunta: onde está o melhor de todos os fenômenos do mundo? (Não apenas no mesmo campo). É como a abordagem do benchmarking. Patentes, licenciamentos, spin-offs ou projetos conjuntos podem ser usados de acordo com a origem da ideia e sua realização.

 

Mais Informações

No site da reunião do XVI B-MRS, clique na foto de Frédéric Guittard e veja seu mini CV e o resumo de sua palestra plenária:http://sbpmat.org.br/16encontro/home/